Mau gosto ou bom gosto?

 

 

Vamos falar um pouco do mau gosto ou bom gosto. No último Globo de Ouro, os vestidos usados pelas principais atrizes no tapete vermelho geraram muito ti-ti-ti em todas as redes sociais.

Obviamente elegemos o nosso preferido e compartilhamos em nossas redes sociais e isso gera muito comentário, mas um assunto que nos chamou a atenção é a questão do feio e bonito.

Como consultores de imagem e pesquisadoras de tendências é importante prestarmos atenção nessa questão. Claro que todo mundo tem o direito de gostar ou não de uma coisa, mas quando agente trabalha com isso, temos que tomar cuidado com duas coisas:

Primeiro, como consultores de imagem não podemos impor o nosso gosto pessoal para o cliente. Todo mundo tem seu gosto, por mais que não concordemos, é essencial respeitar e nunca esquecer o principal objetivo da consultoria de imagem que é como a cliente está comunicando aquilo que ela veste e se está harmonizando com suas características pessoais ou não.

Em segundo, como pesquisadores de tendências, quando batemos o olho e achamos feio ou esquisito, pode ser que seja algo novo e muitas vezes o novo incomoda quando a gente vê pela primeira vez. Porque já estamos acostumadas a ver certas coisas, como a proporção áurea, que é mais comum, que já está presente na natureza e já é conhecida pelo grande público.

Então, quando vemos um vestido como aquele usado pela JLO, com aquele laçarote na frente, todos achamos esquisito, mas isso pode ser uma grande tendência que veremos lá na frente. Ele pode aparecer de forma exagerada, pois a ocasião permite. Neste caso, se expressamos nossa opinião pessoal à frente, podemos perder o movimento e a tendência nova que está chegando.

As atrizes são pessoas de vanguarda, nem sempre são elas que criam, mas elas têm a liberdade de ousar e usar naquele momento. Nós não podemos perder a oportunidade de olhar sem julgamento o que está acontecendo.

Outra coisa importante que acontece no tapete vermelho, é a oportunidade das celebridade viralizarem a sua imagem. Sabe aquele ditado “falem bem ou falem mal, mas falem de mim”? Então, se ela usar algo comum, não terá a oportunidade de ser tão falada, mas se ela usar algo novo e diferente e que nunca foi vista antes a imagem pode viralizar.

Lembram daquele vestido q a Jennifer Lopes em 2000 no Grammys, verde com decote profundo e estampa de folhagem? Ela até usou uma versão nova da Versace nas semanas de moda, como exemplo o movimento “revivalismo” que normalmente acontece de 20 em 20 anos (isso é explicado em nossos cursos). A imagem deste vestido fez a Google gerar o “Google Images”, de tão procurada que a imagem foi.

Agora fica o nosso convite para fazer a análise dos looks e desfiles com esse novo olhar, sem expressar seu gosto pessoal. E procurar usar informações técnicas.

“Melhor que o mal gosto ou o bom gosto é não ter gosto” Rei Kawakubo, Designer Japonesa

 

Veja também o post sobre a beleza na diversidade.